Moderninha pag seguro

Maranello On sexta-feira, 30 de outubro de 2009
Os alinhadores de rodas são equipamentos destinados à verificação dos ângulos característicosdas suspensões de veiculos leves e pesados. Problemas como instabilidade direcional, desgasteirregular de pneus, dificuldades em conduzir o veículo em curvas, são típicos de um veículodesalinhado.

Os valores de alinhamento são fornecidos pelos fabricantes de veículos e são encontrados nomanual do proprietário. Juntamente com o equipamento você estará recebendo um CD comsoftware contendo banco de dados com os valores dos ângulos característicos de veículosnacionais de diversas marcas e modelos de veiculos importados.

Este software permite a inclusãodos dados de novos modelos chegados ao mercado, bem como a emissão de relatórios a serem fornecidos aos clientes contendo as verificações e correções efetuadas nos veículos. Dados estes que ficarão memorizados e poderão ser armazenados para serem acessados futuramente para pesquisa de conferência.

O alinhamento a laser é um equipamento óptico desenvolvido para medição dos ângulos característicos, através do painel de escalas e réguas onde é feita a averiguação dos ângulos.

O emprego do feixe laser nos projetores possibilita a realização de medições com muita precisão, por emitirem uma linha retilínea e de alta intensidade, permite a utilização em ambientes iluminados, sendo desnecessário o emprego de cortinas na are a de trabalho. Ao atingir o painel de escalas, o feixe laser produz um ponto vermelho de perfeita visualização, mesmo a
luz do dia.

Este manual traz informações sobre a realização das medidas dos ângulos característicos dos
veículos. É necessário que o operador do sistema tenha um bom conhecimento sobre mecânica e
suspensão. Em caso de dúvida sobre os procedimentos a serem tomados, entrar em contato com o nosso
representante ou com a fábrica.

Os Projetores

Os projetores diodo laser permitem a leitura precisa dos ângulos mesmo com ambientes iluminados, devido a alta intensidade e grande alcance do feixe.

O projetor deverá ser encaixado no eixo da garra, sendo um para o lado direito e outro para o lado esquerdo do veículo. Tome cuidado quanto ao posicionamento correto do equipamento, as tampas laterais com logotipo da empresa ficam voltadas para o lado de fora. Nunca coloque ou retire a garra na roda com o projetor acoplado ao eixo para não haver acidentes com uma possível queda do projetor.

Para ligar o projetor, acione a tecla “LIGA” (vermelho). O feixe luminoso permanecerá ativo por aproximadamente 10 minutos, desligando-se automaticamente após esse tempo. Caso deseja desligar o projetor antes, acione a tecla novamente.

Perpendicularidade do feixe laser em relação ao eixo do projetor

1- Fixe a garra em uma roda e instale o projetor. Ative o feixe laser, direcionando-o para o painel de escalas, adote um ponto de referencia qualquer.

2- Retire o projetor do eixo e inverta a posição do projetor como mostra o desenho. O feixe deverá indicar sobre o mesmo ponto de referencia. Caso isso não ocorra, o ponto laser deverá ser ajustado.

3- Remova o adesivo amarelo (perigo) do projetor e, com uma chave allen 2,5mm, efetue o ajuste nos parafusos como mostra figura abaixo. O ajuste deverá ser feito para a metade do descolamento ocorrido. Exemplo: Se ao verificar o laser ocorreu um descolamento até o valor “2”, o ajuste deverá ser feito até o ponto atingir o valor “1”.



Compensação da deformação da barra de aferição
Retire as bases dianteiras e posicione a barra de aferição sobre seu respectivo suporte, em alinhamento perpendicular aos painéis de escala. Coloque os projetores nos eixos da barra de
aferição. Para fazer a compensação da deformação siga as instruções abaixo.


Ligue os projetores e posicione o painel de forma que o ponto laser incida sobre o valor “zero”
da escala de deformação.

Vagarosamente, gire a barra de aferição por meia volta (180 ), e observe a oscilação lateral do
feixe laser sobre o painel. Exemplo: se o ponto laser se deslocar do valor “zero” até o valor “dois”, utilizando o maníplo preto, faça com que o ponto laser se mova até o valor “um”.

Gire a barra novamente voltando ¼” de volta (90 ), e verifique se ouve movimentação do ponto laser. Ajuste com o maniplo sempre a metade o valor que o ponto se deslocar até conseguir girar a barra de aferição por completo (360 ) e o ponto laser permanecer no mesmo valor.

Faça o mesmo procedimento em ambos os lados.

Alinhamento dos espelhos dos painéis
1. Retire as bases dianteiras e posicione a barra de aferição sobre seu respectivo suporte, em
alinhamento perpendicular aos painéis de escala. Coloque os projetores nas extremidades da barra de aferição e faça a compensação da deformação, (como mostra página anterior).

2. Faça o feixe laser do projetor direito incidir sobre o espelho direito. O ponto deverá ser
refletido sobre o zero da escala de convergência do projetor. Para isso rotacione a alavanca e os
parafusos de regulagem horizontal do espelho direito. Estes parafusos estão atrás dos espelhos
sendo tracionados por molas.

3. Verifique agora a reflexão do ponto laser do outro projetor sobre a respectiva escala de
convergência. Caso se reflita sobre o mesmo ponto (zero), os espelhos estarão alinhados. Caso
contrário execute o mesmo procedimento utilizado no projetor direito.
Nivelamento dos painéis de escala
Antes de fazer nivelamento dos painéis de escala, certifique se a estrutura está nivelada. Posicione o projetor na seta abaixo da escala de cambagem, levante o projetor para o feixe e
marque a medida de cambagem, caso não esteja no zero, regular cada painel através dos rolamentos existentes no painel.
Procedimentos prévios para serviço de alinhamento
1. Pneus e rodas
Verifique a ocorrência de desgaste irregular dos pneus.
Verifique se o tamanho, o desenho e a marca dos pneus são iguais.
Não devem estar misturados pneus radiais e convencionais.
Confira a calibragem dos quatro pneus e faça as correções necessárias.
Verifique as rodas quanto a danos, torções e amassamentos.

2. Componentes do sistema de direção e suspensão
Verifique o desgaste dos terminais
Verifique nos braços da suspensão e na barra estabilizadora, o estado das buchas, quanto a
folgas e danos.
Certifique-se sobre a livre movimentação das rodas em ambos os sentidos.
Verifique o estado da barra de direção quanto a desgastes e folgas.
Verifique o estado das molas e amortecedores (observe a altura do veículo).
Os componentes danificados devem ser concertados ou substituídos para que se obtenha um
serviço de alinhamento bem feito.

Passo para o alinhamento
1. Compensação de deformação.
2. Posicionamento do veiculo “reto para frente”.
3. Frear o veiculo.
4. Medir a cambagem de rodas dianteiras.
5. Medir KPI.
6. Medir o caster.
7. Medir divergência em curvas.
8. Medir convergência/divergência das rodas dianteiras.
9. Centrar volante.
10. Medir convergência/divergência das rodas traseiras.

Colocação do veiculo na posição “reto para frente”
Para obter maior precisão nas leituras, o veiculo deverá estar posicionado o mais perpendicular
possível em relação aos painéis de escala. As rodas dianteiras deverão estar na posição “reta para frente”, para isso, para isso utilizaremos o eixo traseiro da seguinte forma:

1. O veiculo deverá estar o mais perpendicular possível em relação aos painéis, ao ser
estacionado para realização das medidas.

2. Colocar as escalas triangulares de centralização encostadas-se aos pneus traseiros.

3. Com a deformação das rodas dianteiras já compensadas, em casos de garras que requerem
esse trabalho, gire os projetores para trás e faça incidir o ponto laser sobre as escalas
triangulares posicionadas nas rodas traseiras.

4. Mova as rodas de maneira que ambos os pontos laser incidam sobre o mesmo valor, tanto
na roda esquerda quanto na roda direita.

5. Freie o veículo com a trava de freio fornecida com o equipamento, gire os projetores para
frente e posicione os painéis de escala, de forma que cada ponto laser incida sobre a seta
das escalas de camber. O veículo estará então preparado para a realização das medidas de
alinhamento.

Procedimento para medição da cambagem dianteira Camber: É o ângulo formado pela inclinação da roda em relação ao plano vertical.



1. Posicionar o laser sobre o vértice da seta na base da linha de camber do painel de escalas.

2. Movimentar o projetor de maneira que o ponto laser suba pela escala de camber e então
realizar a leitura do valor do ângulo. Uma cambagem adequada não poderá exceder a 8’ (oito minutos de grau), de tolerância em relação ao valor estipulado pelo fabricante do veículo.

O camber negativo em excesso provoca desgaste excessivo da banda de rodagem partindo do
centro até o ombro interno do pneu. Este esforço desloca o ponto de apoio do peso do veiculo,
gerando fadiga no eixo e nos componentes da suspensão.O camber positivo em excesso provoca desgaste da banda de rodagem partindo do centro até o
ombro externo do pneu. Igualmente há um deslocamento do ponto de apoio do peso do veículo,
causando fadiga no eixo e nos componentes da suspensão.O veiculo com camber desigual tende a “puxar” a direção para o lado da roda que estiver com
ajuste mais positivo.
Procedimento para medição de Caster e KPI
KPI é o ângulo formado pelo pino mestre e a vertical, vista a roda de frente. O KPI contribui para a estabilidade direcional do veiculo, pois as rodas possuem uma tendência de manter uma trajetória reta e diminui o efeito dos obstáculos no volante.1. Com o veículo apoiado sobre os pratos giratórios, posicione o ponto laser sobre o vértice
da seta interna do painel e centralize a bolha de nível do projetor entre as marcas, utilizando posição através do maniplo de nivel.

2. Com as mãos gire a roda para fora fazendo o ponto laser atingir a linha vertical da escala
de 20 graus. Lemos então o valor do KPI exatamente na escala. A tolerância para leituras
de KPI é de 12’ (doze minutos de grau).
Caster é o ângulo formado pela inclinação do pino mestre (ou linha imaginária que passa pelos pinos) em relação ao plano vertical, vista a roda lateralmente. Este ângulo tem a finalidade de permitir o retorno das rodas dianteiras para posição primitiva após realizar uma curva.
Após a leitura do KPI, mover o projetor até a bolha de nível posicionar-se as marcas centrais.
Com a bolha nivelada e o ponto laser sobre a escala de caster, fazer a de leitura diretamente na
escala. O caster é medido em graus e pode ser negativo quando o eixo estiver inclinado para trás, positivo quando o eixo estiver inclinado para frente, e neutro ou zero quando o eixo estiver na
vertical.

Caster desigual: pode causar tendência no veiculo de “puxar” a direção para um dos lados e
problemas em frenagens.

Pouco caster ou nenhum: ocasiona uma tremulação da roda, resultando em desgaste em
pontos localizados na banda de rodagem.

Caster excessivo: (positivo ou negativo) provoca vibrações (SHIMMY) e desgaste prematuro
da banda de rodagem.

Procedimentos para medição da convergência dianteira
Em marcha, para a manutenção da rodagem em linha, é indispensável que exista um perfeito
paralelismo, tanto entre as rodas dianteiras quanto as rodas traseiras, para que os pneus não
sofram arrastamento e desgaste irregular.

Para compensar a tendência de abertura das rodas devido a resistência ao rolamento, as folgas do sistema de direção e a tendência de fechamento em razão da força motriz, os fabricantes recomendam para cada veículo um determinado valor de
convergência ou divergência.

Veículos rodando com convergência ou divergência fora das especificações apresentarão
desgaste prematuro e irregular dos pneus devido ao continuo arrastamento das rodas.
Denomina-se Convergência quando a distancia entre a parte anterior das rodas é maior que a
posterior. Denomina-se Divergência quando a distancia entre a parte anterior das rodas é menor que a dianteira. Desgaste em forma de dentes de serra ou escamas é provocado por convergência ou divergência incorreta.

1. Aponte o projetor de uma das rodas perpendicular ao espelho do painel. Com a alavanca
de ajuste horizontal dos espelhos, faça com que o laser, incidindo sobre o espelho, retorne
sobre o zero da escala de convergência do mesmo projetor.

2. No projetor montado na outra roda, o ponto laser, após refletir no espelho do painel,
atingirá a escala de convergência, indicando a convergência entre as duas rodas. No
exemplo dado a escala esquerda do painel está “zerada”, enquanto na escala direta lê-se
3mm positivo.
Centragem do volante
Com a convergência já corrigida e estando o veículo na posição “reto para frente”, coloque as
escalas traseiras na linha média dos pneus traseiros, observe a posição dos pontos laser nas
escalas e verifique se o volante está na posição centralizada (pontos laser nos mesmos valores em ambas as escalas). Se o volante não estiver alinhado adote um dos procedimentos abaixo:

1. Para veículos com uma única barra ajustável, faça a centralização de direção retirando o
volante e corrigindo a sua posição adequadamente com o painel do veiculo.

2. Para veículos com duas barras de direção, centre e trave o volante utilizando a trava de
volante que acompanha o equipamento. Observe então os valores indicados pelos pontos
laser nas escalas direita e esquerda. No exemplo dado, 28 no esquerdo e 36 no direito.
Com o volante centrado e travado, procede-se a regulagem nos terminais de direção
direito e esquerdo até que os lasers atinjam o valor médio entre as leituras esquerda e
direita.


Divergência em curvas
Denomina-se divergência em curvas, a diferença entre os ângulos assumidos pelas rodas
dianteiras durante as curvas. Este ângulo é determinado pelos braços de direção e deve ser
mantido somente após o ajuste correto dos ângulos de convergência. Durante uma curva, a roda
do lado interno descreve uma curvatura menor que a do lado externo, portanto a roda interna deve
inclinar um pouco mais do que a externa a fim de evitar atrito excessivo dos pneus com solo.
1. Posicione o veiculo “reto para frente” e os pontos laser sobre as linhas verticais centrais
dos painéis.

2. Gire a roda direita para o lado direito até levar o ponto laser sobre o traço vertical de 20
graus no painel direito. Faça a leitura do ângulo da roda esquerda no painel esquerdo.

A diferença entre os valores das leituras no painel esquerdo e direito representa o valor da
divergência em curvas. Exemplo: 18 graus – 20 graus = -2graus.

Convergência traseira total
1. Fazer com que o raio laser, partindo da roda traseira esquerda, após refletir no espelho,
retorne ao traço zero da escala de convergência. Para isso relacione o conjunto dos
espelhos.

2. Verificar qual traço o laser acoplado na roda traseira direita atinge, após refletir no
espelho do painel direito.

A convergência traseira deverá ser corrigida individualmente para cada roda porque o eixo é
fixo, diferentemente do eixo dianteiro do automóvel.
Convergência traseira individual
Com os projetores acoplados nas rodas traseiras, apontar o raio laser até que o ponto vermelho
atinja as escalas que deverão estar encostadas na linha média das rodas dianteiras. Exemplo: se na roda esquerda o ponto laser indicar a marca 2 (2mm) e na roda direita indicar a marca 4 (4mm), isso significa que a roda traseira direita está 2mm mais aberta (divergente) relativamente `a roda
traseira.
Procedimento para cambagem das rodas traseiras
Para a cambagem das rodas traseiras, o geometrista deverá proceder de modo semelhante a
medição das rodas dianteiras.

1. Fixar os projetores nas rodas traseiras.

2. Ligar os projetores e posicionar o ponto laser sobre o vértice da seta na base da linha de
camber do painel de escalas.

3. Movimentar o projetor de maneira que o ponto laser suba pela escala de camber e então realizar a leitura do valor do ângulo.



Clique na foto para ampliar


MARCA CARRO CAMBER-DIANT /CASTER/ CONV-DIANT /CAMBER-TRAS/ CONV-TRAS
de / até de / até de / até de / até de / até
FORD GALAXIE 0º00' 2º00' -1º 00' 0º00' 2,0 3,3 X' X' X X
FORD LANDAU 0º00' 1º00' 0º30' 1º30' 3,0 6,0 X' X' X X


Fonte/pesquisa: http://jmmaquinas.com.br/manual/Alinhador%20Laser%20JM.pdf

2 comentários:

Roberto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roberto disse...

a tabela com a imagem dos veiculos com convergencia negativa e convergencia positiva esta errada convergencia negativa as rodas são abertas ou sejam são divergentes na parte da frente do veiculo. e convergencia positiva ao contrario as rodas são fechadas na frente do veiculo. obs a tabela que esta invertida. isso pode trazer muito prejuizo e causar ate acidentes por pessoas que usem a tabela .

UOL WI-FI Peça o seu